domingo, 17 de abril de 2016

Get it right!

A gente baixa essa temperatura em uns cinco graus. E deixa ela cair ao longo da noite, mesmo que ela suba intensamente ao amanhecer. Eu mantenho esse meu brilhos dos olhos e essa minha fantasia, mas você tem que manter esse sorrisão (PQP!!).

Eu quero vinho branco bem geladinho. Ou verde. Na verdade a gente começa com uma espumantezinha, trincando. Depois pula pro vinho, branco ou verde, na hora a gente vê. Aí deixa as peças virem. Eu vou tentar me segurar, embora não consiga ser educado com sashimi. Nem com uramaki philadelphia. 

E eu vou falando. Ce sabe, se deixar eu conto (de novo) aquela historia que peguei o voo chapado pra São Paulo; ou daquele barzinho-balada muito crazy que fui na Alemanha em 2014 (e vou te chamar pra ir pra lá comigo - e embora não fale, espero muito que a gente faça isso logo, antes que ele pegue fogo e seja fechado). 

E vou te convidar, over and over, pra fazer parte da coisa mais preciosa que eu tenho, a minha vida. Enquanto tu me fizer sentir assim, eu realmente te quero por perto. Quero esse frio na barriga, essa admiração, quero essa energia boa. Quero esse interesse que você tem por mim.

Quero continuar te conhecendo, cada dia mais. Quero saber o que te assusta, quero ser o que te acolhe, o que te empurra. Quero construir mais historias, quero mais um livro da coleção. Todo contigo. Quero mais uma taça, mais uma garrafa - e um casaco, pq já ta em 17 graus. Quero ver todas as temporadas, de todas as séries que a gente quiser, no tempo que a gente conseguir. 

Vamos voltar pra espumante. Se enrolar num edredom, vamo de conchinha. Quero dormir sem terminar o episodio, mas não sem secar a garrafa. Dormir com o teu sorriso, depois de te contar mais alguma coisinha, de fazer mais um plano. De tirar tua paciência  tua roupa, teus suspiros e o teu fôlego. 



"I want it, want it, make it last forever,
what you want all day,
just as long as it's you and I together, babe don't make me wait"

My strength.

Não lembro bem quando eu percebi isso, mas não faz muito tempo não. Cada dia mais eu preciso do meu foco, da minha determinação e da minha disciplina pra conseguir as coisas que eu quero. E muitas vezes, me manter no caminho já é difícil, muitas vezes, seguir o planejado exige muito mais de mim, mais do que eu posso dar. 

E eu nem sempre consigo. Aliás, em muitas vezes eu não consigo, mas não são dessas vezes que eu quero falar hoje. Hoje abri o segundo andar pra falar das vezes em que eu consegui andar nos trilhos. Das vezes que eu nadei contra a maré dos meus próprios pensamentos. De onde eu tiro essa força, de onde vem todo esse foco que me ajudar a subir a minha montanha?

E foi recentemente que percebi, que essa força está embaixo do meu travesseiro. E o motivo disso, é encontrado lá atrás, na minha infância (que não é tanto tempo atrás assim, rs). Quando eu era pequenino, não que fosse uma rotina ou um regra, mas de vez em quando meus pais escondiam surpresas - ou presentes - embaixo do meu travesseiro. E isso era mágico. 

As vezes eu passava o dia inteiro, sem saber que tinha alguma coisa lá pra mim. E aí na hora de dormir, aquela surpresa! Caralho como era bom! Como essas surpresas me ajudavam a ser o menino mais feliz do mundo, me enchiam de positividade pra reflexão do dia que passou, e pros planejamentos do dia que ia vir. 

E não, hoje em dia meus pais não me dão mais presentes embaixo do meu travesseiro. Inclusive, nem sei se lembram bem disso. O ultimo presente que se ganhou aqui em casa embaixo de travesseiros foi um chocolate, em Maio do ano passado, e fui eu quem deu (mas isso não vem ao caso). O que meus pais conseguiram, foi deixar debaixo do meu travesseiro, uma eterna força do make-believe. 

Todo dia quando eu deito na minha cama, eu encontro embaixo do meu travesseiro o presente em que eu escolhi viver, e tiro dali a minha força. Ta embaixo do meu travesseiro o cara que eu quero ser, a força que eu preciso pra chegar lá. Embrulhado na minha cama, tenho toda a noite o amor imensurável que sinto pelos meus pais (e pelos meus amigos-familia) que se converte em confiança e que me ajudam a caminhar todos os dias.

Por muitas vezes, caminhei na frente, com foco, mesmo que aterrorizado. E em varias dessas vezes, eu nem acreditava que eu chegaria no final alive (e quem sabe, algumas vezes nem cheguei). Mas em cada noite que eu deitava, eu encontrava a energia deles, que torcem por mim, que acreditam em mim e que me seguram, puxam ou empurram, e fazem tudo o que eu precisar, pra chegar lá. 

É embaixo do meu travesseiro, que hoje eu encontro o amor que eu preciso, pra cada vez mais, chegar perto do cara que eles merecem ter por perto. O cara que eu quero ser!




"ain't about how fast I get there,

ain't about what's waiting on the other side,
it's the climb"