quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Tão acostumado.

Hoje sou um cara mais forte. Não tenho tanto medo ao dar minha cara a tapa. Não tenho medo do não e não aceito o talvez.  Hoje tranco a porta todos os dias antes de dormir e coloco meus pés no chão, todo dia antes de sair da cama. Hoje não preciso de um “bom dia” pra acordar, nem de um sorriso pra me animar, ou de um “boa noite” para dormir bem.

Hoje eu sou um cara mais forte porque entendo que às vezes o que temos é o não. E conviver com você, ao longo desse tempo, só me provou isso. Eu recebi um não todos os dias, antes mesmo de levantar da cama. Eu tive que me animar, recebendo um não logo de início e ir dormir todas as noites com um não na cabeça.

Hoje sou um homem mais o forte. Cada dia eu aprendo que consigo sair de casa com um não e mesmo assim voltar firme. Hoje eu sei que um não, na verdade, não me impede de crescer. Não me impede de lutar, muito menos de correr atrás dos meus sonhos. Hoje eu sei que um não, não necessariamente é um não.

Hoje escolho quem eu quero do meu lado e as coisas que vou fazer. Escolho a hora que a minha festa começa, e na medida do possível a hora que ela vai acabar. Hoje não sorrio tanto, nem me esforço tanto para ser compreendido, afinal, quero que saibam a minha opinião, e não necessariamente que me apoiem. 

Hoje eu já sei que um não pode ser temporário. Já estou acostumado a ser mais forte e menos sentimental. Já me acostumei a ser sozinho, mesmo não tendo largado o plural. Já me acostumei a ser só eu, mesmo sendo tratado como ‘nós’. Hoje eu já me acostumei  com o amargo na boca e a segurar as palavras. Já to acostumado a segurar os abraços e prender minhas mãos pra não procurarem as tuas. Já to tão acostumado, mas mesmo assim, todo dia acredito que hoje, seja o ultimo dia desse não.


“This is the last time I’m asking you why,
You break my heart in the blink of an eye”