segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

O gosto da hipocrisia.

Lembro do dia que contei para os meus pais que eu fumava, confesso que não foi um choque muito grande. Nunca esqueço a reação da minha mãe. Estávamos almoçando e ela riu, ali na mesa mesmo, falou "você fuma?" e riu. Não entendi aquela reação, mas também não questionei, deixei rolar. Ela também era fumante, era, pois assim que eu comecei a fumar dentro de casa, ela parou. Pra sempre.

Sempre fui um apreciador da cerveja. Da cerveja, da vodca, do rum, enfim, do álcool, e confesso que sempre fui péssimo no auto controle, quando quantidade de álcool ingerida deveria ser controlada. E isso nunca me incomodou, embora sempre tenha me gerado alguma 'dor de cabeça' no dia seguinte. Nunca me incomodou até eu ver uma amiga sem medir o quanto bebia. As coisas que fazia, as coisas que contava, quando vi quem ela se tornava, repensei.

Sempre achei Ok e embora utilizasse da minha maneira, levava como uma coisa qualquer. Aliás, te conheci por esse meio. Acredito que não importa o que a gente faça, mas sim a intensidade e a importância que a gente coloca nas coisas. Não sei se é a atenção que você doa pra isso, ou é o simples fato de ser você, mas me da nojo, não só daquilo, mas de você também. E disso, tiro uma conclusão, não meterei mais meus dedos ali.


"wish there was a way I could delete it.."

Um comentário: