quinta-feira, 24 de maio de 2018

(im)perceptível

Já faz um tempo em que eu venho chorando, e por algum tempo eu até consigo esconder. Eu escondo o medo, escondo a raiva, com muito esforço consigo até esconder a ansiedade, mas o choro não. O choro eu não consigo. Eu engulo, claro. Não saio chorando por aí, mesmo que por dentro, eu ainda esteja aos prantos.. mas algumas pessoas percebem, desse vez, as nem tao próximas que vieram comentar que eu ando diferente, questionando se ta tudo bem. É que elas talvez até consigam sentir, a minha energia diferente, mas as minhas lagrimas que internamente não param de cair, elas não veem.

Pois é, pra alguns eu até consigo esconder que eu to bem cansado, que eu to desacreditado, que eu perdi a confiança. Mas pra outros, a minha risada já ta amarela, a minha expressão estranha e o meu bom dia, tão politico. Pra mim mesmo, eu nem sei quando é estafa, quando é birra, quando é manha ou quando realmente é a hora de parar.

É que de tanto engolir o choro, eu já to inundado. Que de tanto repetir que daqui a pouco mudo e que logo melhora, eu já perdi a palavra. Já é desnecessário eu me lembrar que amanhã é um novo dia, que vai melhorar, por que eu não consigo mais acreditar. Que eu, que não satisfeito em fazer, sempre quis ser a diferença, isso não consegui mudar.

E agora, prefiro nem mesmo mais tentar. Por hoje chega de lutar, de tentar, de make believe. Engolir o choro dói a garganta, e isso só sente quem passa. Já que a gente parou de acreditar em mim, o certo mesmo é deixar passar, deixar sofrer, liberar os prantos, deixar chorar, deixar sangrar. Amanhã a gente acorda, e se conseguir, a gente finge que consegue, finge que acredita, finge que finalmente, parou de chorar.


"give me a long kiss goodnight and everything will be all right.."

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

ME

E adivinha? Hoje eu finalmente resolvi dar as caras por aqui. Mas não sei bem explicar o porquê. Talvez seja inferno astral, ou então só aquele acumulo de final de ano - que eu nem sei se acredito.

Ta tão difícil acreditar nas coisas hoje em dia, não ta? Complicado ler o jornal e acreditar em tudo que se lê - as vezes nem quero mesmo. Tem coisa que eu até prefiro não acreditar que existe, alias, nessas eu queria nao acreditar, mas aí, não temos escolha.

Não sei se foi do dia pra noite, ou se essa musica já estava sendo tocada só que eu nao ouvia. Mas quando me dei por mim, já estava um pouco desacreditado. E como isso muda tudo. A duvida mata a gente aos poucos.

E se eu voltei aqui, é porquê sei que aqui - com vocês - eu consigo achar as minhas respostas. Quando eu to aqui, deixo bastante coisa lá embaixo, e trago pra cima só o que realmente me importa, e assim fica mais fácil, fica melhor.

Quando eu sou eu mesmo, com vocês, eu não tenho muita duvida, eu vejo que é só uma questão de tempo, até eu descer com toda essa confiança.

Obrigado por estarem sempre aqui, prontos pra me receberem exatamente como eu sou.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Prr.

Feliz dia do poe no elevador que eu pego. Ou do "tem ..., o mercado ta cheio!!". Feliz dia do adududu quentinho. Da nhaca. Dos porres de cobertura de chocolate e daqueles de cerveja. Ou era tequila?

Feliz dia do "quem vai pagar por essa mesa?". Do "eu não aguento mais", "CRUELL". Feliz dia do POS, STAY, do zoar na net, zoar na net, zoar na net. Feliz dia do "what are you waiting for?", do bolo que era de beterraba, da bandeira assinada no para-raio, do brunch que derrubou a gente. 

Feliz dia do amor platonico, da Bufy, do Bernando e o seu relógio, do meu ex-piercing embaixo da lingua. Feliz dia das incontaveis parodias, tardes no shopping, noites a fora. Feliz dia do "para de rir", do "vamo idelizar", do "falta 204 reais pra minha vida ser perfeita", dos momentos pinga. 

Feliz dia do, desce, sobe, "tens a minha chave?". Do paga, do te fode, do "posso ir junto?", do "como assim tu não vai?". Feliz dia do "por favor vamos", do "como que eu vou contar isso", do "imagina quando..".

Como te antecipei hoje, por algum motivo a gente vive separado. Yet, sempre tão juntos. Que eu continue cada dia sendo um pouco vc, e vc um pouco eu. Que eles saibam que eu serei sempre teu e tu sempre minha. Vizinho, vizinha. Mesmo que algumas horas dopados de dramim away. 

Que tua estrela continue a brilhar e que reflita aqui, nos meus dias. Que quando a saudade apertar, não nos falte snaps, internet e fones de ouvido pra se acabar em Aventura, em Jay Vaquer, ou em wonderwall. Que cada dia tu seja mais e precise de menos. 

Pq eu sonho pra ti, sua pomba linda, asas que tem leve beem longe, mas que também te tragam aqui.
<3

domingo, 2 de outubro de 2016

VEM

Vem cá, deixa eu passar protetor solar em ti, antes que a gente fique todo vermelho de tanto sol. Vem aqui pra eu passar frio contigo também. Vem passar o final de semana, o feriado, o verão, o inverno. Traz roupa de banho, aquela tua bota linda e por favor, esquece o teu pijama. 

Espero que perto da meia noite eu chego, pra elogiar e agradecer e janta que tu me preparou. Me abraça pra gente assistir cinco temporadas da minha série favorita em um só final de semana. Aí a gente sai, a gente volta, a gente bebe, a gente acorda.

Vem pra ficar comigo, pra gostar do que eu gosto. Fica aqui com a gente, na roda. Pode ir pro canto, mas não vai longe não. Vem que daqui a pouco toca a musica que eu escolhi, fica que eu fecho a janela pra não ventar e abro o vinho pra te convencer. 

Vamo que eu já não aguento mais. Que eu to com saudades de ti e daquele quarto que mesmo não sendo parece tao nosso. Vamos que dessa vez eu não derrubo café em ti e não vou dormir enquanto tu toma banho. Vamos que a gente ainda tem tanto lugar pra conhecer junto e eu insisto em continuar indo naqueles que eu tanto gosto.

Vamos que hoje deve ter sol no pier. Hoje deve ter arco iris na estrada e obviamente transito na lagoa. Vamos nos passar na comida, na bebida, na cama. Vamo que daqui a pouco isso vira rotina e a gente não é mais turista. Vamos que a estrada ainda é longa, a gente ainda ta no comecinho e que eu te quero do meu lado até o final.


segunda-feira, 11 de julho de 2016

Gato.

Gato, vem aqui que ainda faltam alguns minutos pra água ficar boa. Enche mais uma taça enquanto eu esvazio a outra. Já aproveita e me completa com carinho também, me enche de beijo pra eu não precisar repetir. A não ser que eu queira.

Fica paradinho gato, deixa que eu vou até aí. Deixa eu te parabenizar pq eu adorei, tava ótimo. Uma delícia gato, você. Não se mexe não, deixa que eu acerto, que eu te abraço, te aperto, me seguro, me encaixo. Me olha no olho, faz cara de bravo, de apaixonado e gargalha pra mim. Daquele jeito.

Obrigado gato! Por fazer eu me sentir tão bem, deixar eu ser tão eu, tanto que eu até duvido. Obrigado por se esforçar pra me entender, por deixar eu te desvendar, por me ajudar a ser.

Calma gato, calma que semana que vem ta aí e eu já to aqui de novo. Calma que demoro pra desdobrar, que logo eu to pronto pra outra, que não foi por querer que eu não te procurei.

Isso gato, assim tu me convence, assim eu me encontro, me garanto, te adoro, e de canto, me entrego.

domingo, 10 de julho de 2016

Bora!

Teve beijo. Teve sorriso, teve brilho nos olhos, teve sol, ventinho e um pier de seriado. Eu cheguei antes, Não fiquei nervoso, nem tímido, sadly as it is, a gente se acostuma com isso né?!

Teve encanto, teve duvida, talvez deu até aquele medo. Teve o meu restaurante, uma massa, pouca pimenta e um chope. Só um chope. Teve coca, deu calor, e agora?

Bora!

Deu pra suar, deu sentir, deu pra apertar forte. Deu pra rir, pra ficar com vergonha, e ainda bem, pra segurar. Não deu pra parar, nem pra resistir. Não precisou falar, não precisei fingir, nem me explicar.

Foram horas. Rapidinho. Foi bem adulto e com carinho. Passou rápido e acabou cedo, antes do que eu esperava. Não teve jantar, nem "mais um pouquinho". Deixou uma marquinha, uma lembrança e quem sabe, saudades.

terça-feira, 3 de maio de 2016

Meu,

E já tinham me falado que seria assim, quando eu menos esperasse. Quando eu achasse que não era a hora ainda, que eu não estivesse preparado. que seria fora de hora. E quantas vezes, antes, eu sofri, te querendo. Te esperando. Me preparando pra tua chegada.

E foi naquela sala ensolarada, na ponta daquela mesa e de sorriso sincero que eu te aceitei. Foi com brilho nos olhos, com a voz firme e aterrorizado por dentro, que eu disse sim. Foi sem pensar mesmo, essas essas coisas a gente nem deve pensar muito, tem que se deixar levar, confiar na gente, confiar nos outros, confiar na vida.

Eu sou merecedor, sei que sim. Mesmo acumulando todas essas selfdoubts aqui comigo. Eu me preparei bastante pra estar contigo. "A gente" já foi esboçado, tantas vezes por mim, que você não faz ideia. Mas não assim, não pra esse jeito que você veio, todo complicado e complexo.

Mas junto a gente chega lá. Ao mesmo tempo que amedrontado, eu me sinto preparado pra estar contigo, pra te levar pra frente, com certeza pra sempre. Sei de todos os teus defeitos, todos os teus pontos negativos, mas não vou deixar eles nos atropelarem não.

Eu estou orgulhoso e grato disso tudo, respirando fundo pra não me alterar, pra não sair pra contando pra todo mundo, que a partir de hoje, você ta comigo. Que agora, você é meu. O meu primeiro. Primeiro departamento.



˜So here I am, I`m trying.. So here I am, are you ready?"